29 de junho de 2011

Opinião - O Regresso dos Deuses - Rebelião





Sinopse:

"Após um longo sono de várias décadas, Calédra, a intrépida e pragmática guerreira aurabrana, desperta subitamente para uma realidade que lhe é estranha, um tempo que não é o seu. Antiga rainha dos aurabranos e senhora de um passado obscuro, Calédra, outrora conhecida por cognomes como Portadora da Luz ou A Chegada da Morte, está destinada a protagonizar uma missão improvável – tentar salvar um mundo que a rejeitou, e muito em particular os humanos, da crescente ameaça representada pelo domínio Holkan. No entanto, Calédra também terá de lidar com a sua própria essência, com o seu passado e futuro. Ao longo desta saga extraordinária, são muitos (e improváveis) os aliados que Calédra vai encontrando, e muitas são também as vezes em que a guerreira enfrenta inimigos terríveis – como Mugar-Abe, o tenebroso regente do reino e aliado dos Holkan – e se vê às portas da morte. Mas o seu espírito singular e inquebrantável promete dar luta aos seus inimigos e cativar-nos desde logo, pela sua determinação, levando-nos a ler com insaciável voracidade as páginas deste épico vibrante. No entanto, será ela capaz de conseguir os seus propósitos?
Um livro que revela também a verdadeira face de uma mitologia própria, cuja existência não se justifica por si e cujo propósito está longe de ser insondável..." 



Opinião:


Este é o terceiro livro publicado pelo Pedro Ventura, mas infelizmente os outros dois (Goor - A Crónica de Feaglar) já não se encontram no mercado. Nesta obra que se passa algumas décadas depois dos livros anteriores, a personagem principal desta história é Cáledra, uma poderosa guerreira aurabrana que é perseguida por um passado tenebroso. Cáledra é uma mulher com um enorme ego, persistente, implacável e impiedosa com os seus amigos mas que contudo consegue inspirar os seus aliados a tornarem-se seus amigos e que protege os mais fracos.


Cáledra, acorda num "casulo" após uma "hibernação" imposta de várias décadas, ela encontra um mundo muito diferente do qual estava habituada e no qual os humanos são explorados pelos Holkan e pelos seus aliados auradhorians. Ela perseguida pelo seu passado muito sofrido, demora algum tempo a integrar-se na nova sociedade. 
Um dos principais auradhorian é o terrível regente Mugar-Abe, que é capaz de todo para manter os humanos (que ele considera ser uma raça inferior) sobre controlo. Ao longo da história Cáledra vai arranjado vários e improváveis aliados, que lhe vão ajudando na sua luta contra os Holkan. 


O final deste livro leva a entender que haverá uma continuação desta história e que teremos mais aventuras com a Portadora da Luz. 


O enredo da história está bem construído, mas tem poucas descrições do mundo em volta. Um dos pontos fortes da história é boa descrição das batalhas e o facto da Cáledra não ser a típica heroína das histórias de fantasia. 


Foi sem dúvida um livro que me cativou muito, só tenho pena de não ter lido os dois livros do "Goor - A Cronica de Feaglar". O Pedro é sem duvida um escritor com muito talento e que eu irei seguir com atenção. É sem duvida um livro a ler. 


Avaliação: 9-10

28 de junho de 2011

Divulgação - A Lâmina


O livro sairá para as bancas já no próximo dia 11 de Julho!! 


O escritor britânico Joe Abercrombie chega a Portugal com um romance de estreia notável – o primeiro livro da Trilogia “A Primeira Lei” –, que entra de imediato para a galeria das grandes obras do género, na esteira de autores como Margaret Weis, Tracy Hickman, R.A. Salvatore, ou mesmo George R.R. Martin e Patrick Rothfuss. Sólido, complexo e apaixonante, “A Lâmina” combina com mestria os elementos típicos do Fantástico, mas acrescenta-lhes a crueldade sanguinária e o humor mordaz que conduzem o leitor aos labirintos mais negros da condição humana. Este não é de certeza um livro “inocente”, com bons de um lado e maus do outro – é um romance de profunda humanidade, que nos coloca perante o espelho arrasador dos nossos pecados e fraquezas.

Perversamente divertido, excitante e imprevisível, e repleto de personagens memoráveis, “A Lâmina” é uma fantasia com muito de verdade. No mundo medieval criado por Joe Abercrombie, a sorte de Logen Novededos, bárbaro infame, esgotou-se finalmente. Apanhado num combate em que não se deveria ter envolvido, está prestes a tornar-se um bárbaro morto, deixando para trás apenas canções más e amigos mortos. 

Jezal dan Luthar, modelo de egoísmo, não tem em mente nada mais perigoso do que conquistar a glória no círculo de esgrima. Mas a guerra aproxima-se e, nos campos de batalha do Norte gélido, luta-se com regras mais sangrentas. 

Ao inquisidor Glokta, torturado convertido em torturador, nada agradaria mais do que ver Jezal regressar a casa num caixão. Mas também é verdade que o seu ódio será extensível a todos os que conhece. Extirpar a traição no coração da União, uma confissão de cada vez, não deixa um grande espaço para amizades e o mais recente rasto de cadáveres poderá conduzir directamente ao coração enfermo do Governo… se conseguir sobreviver durante tempo suficiente para o seguir…

23 de junho de 2011

Fórum de Gelo e Fogo



Descobri hoje um fórum em português chamado de "Fórum de Gelo e Fogo", totalmente dedicado a minha saga preferida, que como todos devem saber é a "As Crónicas de Gelo e Fogo" do mestre da literatura fantástica moderna George R.R. Martin.
E como não podia deixar de ser inscrevi-me logo.

Última aquisição



Sinopse:

"Após um longo sono de várias décadas, Calédra, a intrépida e pragmática guerreira aurabrana, desperta subitamente para uma realidade que lhe é estranha, um tempo que não é o seu. Antiga rainha dos aurabranos e senhora de um passado obscuro, Calédra, outrora conhecida por cognomes como Portadora da Luz ou A Chegada da Morte, está destinada a protagonizar uma missão improvável – tentar salvar um mundo que a rejeitou, e muito em particular os humanos, da crescente ameaça representada pelo domínio Holkan. No entanto, Calédra também terá de lidar com a sua própria essência, com o seu passado e futuro. Ao longo desta saga extraordinária, são muitos (e improváveis) os aliados que Calédra vai encontrando, e muitas são também as vezes em que a guerreira enfrenta inimigos terríveis – como Mugar-Abe, o tenebroso regente do reino e aliado dos Holkan – e se vê às portas da morte. Mas o seu espírito singular e inquebrantável promete dar luta aos seus inimigos e cativar-nos desde logo, pela sua determinação, levando-nos a ler com insaciável voracidade as páginas deste épico vibrante. No entanto, será ela capaz de conseguir os seus propósitos?
Um livro que revela também a verdadeira face de uma mitologia própria, cuja existência não se justifica por si e cujo propósito está longe de ser insondável..." 

20 de junho de 2011

Opinião - Refúgio



Chegou a Portugal uma das maiores lendas da fantasia: Drizzt, o elfo negro.

Depois de escapar da sociedade cruel e vingativa de Menzoberranzan, a sua cidade natal escondida nas profundezas da terra, Drizzt inicia uma nova aventura num mundo inteiramente diferente. Desta vez na superfície, sob a luz revigorante de um sol que o fascina e rodeado por florestas frondosas e mil e um segredos para descobrir. Mas esse novo mundo também pode ser hostil e, pior, os elfos negros não desistiram de o caçar. Poderá Drizzt encontrar refúgio longe das trevas que rodeiam a sua raça e integrar-se num mundo que o olha com desconfiança e temor? Não perca a dramática conclusão da trilogia do Elfo Negro.

Venha descobrir Drizzt, o elfo negro, uma das personagens mais lendárias da fantasia. E acompanhe-o na épica e intrépida jornada para longe de um mundo onde não tem lugar... em busca de outro, na superfície, onde talvez nunca o aceitem.

Opinião:

Este é o o ultimo livro da trilogia "O Elfo Negro" do escritor americano R.A, Salvatore e que mais uma vez nos leva a seguir as aventuras do drow Drizzt Do'Urden.

Drizzt chega finalmente a superfície e tenta adaptar-se a um novo meio com dias, estações e alterações de temperatura fenómenos que não ocorrem no Subescuro.  Mas ele devido a ser um drow não é bem aceite em nenhum dos sítios em que se tentar estabelecer.  Ele depois é perseguido por causa de um terrível crime cometido, que foi feito de forma a pensarem que foi ele que o cometeu. 


O drow continua ensombrado pelo seu passado e só com a gente de um novo amigo é que ele consegue ultrapassar as coisas que o atormentam. Esse amigo também lhe ensina a falar a língua da superfície e a compreender os todos os habitantes que moram lá. Com esses novos conhecimentos ele torna-se num ranger. 


Um dos pontos demasiado explorados nesse livro, a meu ver, é a luta interior do Drizzt com os seus "demónios", que se torna um pouco repetitiva ao longo da trilogia.

O livro é longe de ser uma obra-prima mas não deixa de ser uma leitura muito agradável e rápida com um enredo algo previsível, mas com um ritmo alto e com excelentes descrições de luta. Esta é uma boa trilogia para os iniciantes da literatura fantástica.  


Avaliação: 7,5-10

18 de junho de 2011

Análise - O Forte




Bernard Cornwell é um milagre literário.

Esta é a história de homens em guerra, das escolhas que são forçados a fazer e os dilemas que sofreram. Uma das melhores obras de Bernard Cornwell. 

No verão de 1779, no terceiro ano da Guerra da Independência dos Estados Unidos, uma força britânica de 750 homens, liderada por Francis McLean, navega em direção à costa desolada e brumosa da Nova Inglaterra. A sua missão é estabelecer uma base naval numa posição crucial para dar abrigo a americanos lealistas. Apoiado por três pequenos navios, Mclean inicia a construção de um forte. Em resposta, o estado de Massachusetts envia uma frota de 40 navios e mil soldados de infantaria para "capturar, matar ou destruir" os invasores. O segundo em comando é Peleg Wadsworth, um antigo combatente no regimento de George Washington e um homem que sabe o que tem de ser feito para expulsar os invasores. E embora os britânicos estejam em inferioridade numérica, a batalha que se seguiu é um exemplo clássico de como planos bem elaborados podem ser arruinados por líderes incompetentes ou política mesquinha, e de como a guerra destaca o melhor e o pior em todos os homens.

Opinião:

Esta obra é mais uma de um dos meus escritores favoritos de romance-histórico, o Bernard Cornwell. Que como sempre não me desapontou e mais uma vez conseguiu uma excelente conjugação entre factos verídicos e ficção.

A acção desta história passa-se durante a Guerra da Independência dos Estados Unidos, numa pequena vila costeira com o estranho nome de Majabigwaduce que fica situada no estuário do rio Penobscot no actual Estado do Maine. 
Os ingleses tentam estabelecer na ilha uma base naval que servisse de apoio aos apoiantes da manutenção dos EUA como território integrante do Império Inglês mas os revolucionários ao saberem do inicio da construção do forte juntaram um pequeno exercito para tentar expulsar os Ingleses. 

O autor fez uma alargada pesquisa, como é seu hábito, para fazer a acção o mais fiel possível ao o que facto que se passou na batalha. E como as suas descrições das batalhas são incríveis e muito realistas e parece que uma pessoa está no meio da acção. 



Imagem retirada da Wikipedia


Em termos de personagens tenho que destacar o General McClean e o Tenente John Moore do lado inglês e do  lado americano destaco as seguintes personagens General Wadsworth, General Lovell, Comodoro  Saltonstall e o Tenente Revere. Mas nem todas as personagens que destaco por boas razões, porque algumas devido a muitas más decisões e cobardia tiveram erros graves que causaram mortes e a perca da batalha.

Este é um livro que todos os amantes do romance histórico  devem obrigatoriamente ler. 


Avaliação: 8,5-10


Deixo aqui também as capas do livro publicadas na Inglaterra e no Estados Unidos.
Qual é a vossa preferida das três?


Capa Inglesa
Capa americana


17 de junho de 2011

Já há data para a Dança




A Saída de Emergência através da sua página oficial do Facebook anunciou a data de lançamento da 1ª metade do livro "A Dança dos Dragões" que será no dia 9 de Setembro. A editora ainda não divulgou a data da publicação da 2ª parte do livro, mas eu espero que ainda seja este ano.
Para os mais distraidos relembro de que a data da publicação do livro em inglês é no dia 12 de Julho, pelo que os leitores portugueses deverão de ter um pouco de paciência para lerem a nossa versão. 


Eu só posso dizer que pela minha parte estou desejoso de ler este livro tão ansiado pelos leitores que estão a espera da sua publicação há 6 anos!



16 de junho de 2011

Divulgação - Guerreiro de Roma - O Leão do Sol



Mesopotâmia, 260 d.C. Traído pelo seu conselheiro de maior confiança, o imperador romano Valeriano foi capturado pelos bárbaros sassânidas. Prostrado perante Sapor, o Rei dos Reis, o velho e frágil imperador sente que a vergonha da derrota o fustiga como a inclemência do sol ardente. Balista observa impotente, mas jura para si próprio vingar-se daqueles que traíram o império, levando-o à destruição. "Um dia, talvez não tão cedo, mas um dia, irei matar-vos...". Mas primeiro tem de decidir qual o preço que irá pagar pela sua própria liberdade. Apenas os destemidos e aqueles que os deuses pouparão do Inferno poderão salvar o império de um fim catastrófico. Balista, o Guerreiro de Roma, enfrenta o seu maior desafio de sempre.

15 de junho de 2011

Divulgação - O Último Desejo



Desde a década de 1990 que o bruxo Geralt de Rivia se tornou um dos heróis de culto na Europa de Leste, tendo passado rapidamente do âmbito literário, para o cinema, a televisão e até os jogos electrónicos. Sapkowski, o seu criador, senhor de um humor corrosivo e de uma escrita de características pós-modernas, é um admirável inovador da linguagem. O facto de se ter imposto num mercado onde domina o fantástico anglo-saxónico é por si só uma proeza, mas mais interessante foi ter rompido com os estereótipos do género. Para Spakowski, o norme é serem as princesas a assaltar os caminhos...

Um livro que inspirou o jogo de vídeo The Witcher.

Divulgação - Mossad - Os Carrascos do Kidon





Em Mossad, Frattini identifica todos os agentes do Kindon que, em nome do Estado de Israel e com a autorização expressa do primeiro-ministro, executaram, entre 1960 e 2010, criminosos de guerra nazis, terroristas palestinianos e alemães, cientistas dedicados à energia atómica no Iraque e no Irão, líderes da OLP e do Hamas, engenheiros especialistas em armamento, traficantes de armas e, inclusivamente, um magnata da imprensa. Desde a criação deste departamento secreto da espionagem israelita, em Março de 1951, que os seus agentes liquidaram aqueles que manifestaram ser um perigo, real ou potencial, para o Estado de Israel.

9 de junho de 2011

Compras de Junho



Bernard Cornwell é um milagre literário.


Esta é a história de homens em guerra, das escolhas que são
forçados a fazer e os dilemas que sofreram. Uma das melhores
obras de Bernard Cornwell. No verão de 1779, no terceiro ano da Guerra da Independência dos Estados Unidos, uma força britânica de 750 homens, liderada por Francis McLean, navega em direção à costa desolada e brumosa da Nova Inglaterra. A sua missão é estabelecer uma base naval numa posição crucial para dar abrigo a americanos lealistas. Apoiado por três pequenos navios, Mclean inicia a construção de um forte. Em resposta, o estado de Massachusetts envia uma frota de 40 navios e mil soldados de infantaria para "capturar, matar ou destruir" os invasores. O segundo em comando é Peleg Wadsworth, um antigo combatente no regimento de George Washington e um homem que sabe o que tem de ser feito para expulsar os invasores. E embora os britânicos estejam em inferioridade numérica, a batalha que se seguiu é um exemplo clássico de como planos bem elaborados podem ser arruinados por líderes incompetentes ou política mesquinha, e de como a guerra destaca o melhor e o pior em todos os homens.



Chegou a Portugal uma das maiores lendas da fantasia: Drizzt, o elfo negro.

Depois de escapar da sociedade cruel e vingativa de Menzoberranzan, a sua cidade natal escondida nas profundezas da terra, Drizzt inicia uma nova aventura num mundo inteiramente diferente. Desta vez na superfície, sob a luz revigorante de um sol que o fascina e rodeado por florestas frondosas e mil e um segredos para descobrir. Mas esse novo mundo também pode ser hostil e, pior, os elfos negros não desistiram de o caçar. Poderá Drizzt encontrar refúgio longe das trevas que rodeiam a sua raça e integrar-se num mundo que o olha com desconfiança e temor? Não perca a dramática conclusão da trilogia do Elfo Negro.

Venha descobrir Drizzt, o elfo negro, uma das personagens mais lendárias da fantasia. E acompanhe-o na épica e intrépida jornada para longe de um mundo onde não tem lugar... em busca de outro, na superfície, onde talvez nunca o aceitem.

2 de junho de 2011

1001 Mundos divulga a capa do livro "A Lâmina"


Este livro saí em Julho, e eu só posso dizer que mal vejo a hora de o comprar.
Gostam da capa do livro?

1 de junho de 2011

Lançamento do livro "O Regresso dos Deuses - Rebelião"

Novidades Saída de Emergência - Junho


Bernard Cornwell é um milagre literário.

Esta é a história de homens em guerra, das escolhas que são forçados a fazer e os dilemas que sofreram. Uma das melhores obras de Bernard Cornwell.

No verão de 1779, no terceiro ano da Guerra da Independência dos Estados Unidos, uma força britânica de 750 homens, liderada por Francis McLean, navega em direção à costa desolada e brumosa da Nova Inglaterra. A sua missão é estabelecer uma base naval numa posição crucial para dar abrigo a americanos lealistas. Apoiado por três pequenos navios, Mclean inicia a construção de um forte. Em resposta, o estado de Massachusetts envia uma frota de 40 navios e mil soldados de infantaria para "capturar, matar ou destruir" os invasores. O segundo em comando é Peleg Wadsworth, um antigo combatente no regimento de George Washington e um homem que sabe o que tem de ser feito para expulsar os invasores. E embora os britânicos estejam em inferioridade numérica, a batalha que se seguiu é um exemplo clássico de como planos bem elaborados podem ser arruinados por líderes incompetentes ou política mesquinha, e de como a guerra destaca o melhor e o pior em todos os homens.


Uma autora com uma escrita singular e premiada

Os "sombriamente fascinantes" romances das Joias Negras de Anne Bishop, autora de sucesso consagrada no top do New York Times, têm cativado igualmente leitores e críticos devido à mescla de fantasia, intriga e romance. Com o presente Despertar do Crepúsculo, Bishop regressa ao reino dos Sangue com quatro inéditas e fascinantes novelas.

Prendas de Winsol 
Daemon, Príncipe dos Senhores da Guerra de Joias Negras de Dhemlan, está ainda a adaptar-se ao seu primeiro ano de casado com a sua Rainha Feiticeira, Jaenelle. Porém, com a aproximação da celebração do Winsol que se prolonga por treze dias, Daemon tem de lidar com demasiadas solicitações ao mesmo tempo que se assume como anfitrião da sua admirável família.

Cambiantes de Honra 
Ainda a recuperar da provação que a deixou ferida e furiosa, Surreal regressa a Ebon Rih sob as ordens do Príncipe Lucivar. Quando o seu antigo amante Falonar desafia impiedosamente a autoridade da família à qual ela pertence, Surreal poderá, por fim, sucumbir às trevas que ardem no seu âmago.

Família 
Quando alguém arma uma cruel cilada à Rainha Sylvia e aos seus filhos, as sequelas consomem por completo as vidas da família reinante de Dhemlan. Terão de desvendar a identidade do Senhor da Guerra conhecido somente como Sem Rosto antes que regresse para terminar o que começou.

A Filha do Senhor Supremo 
Após a perda das duas pessoas mais importantes da sua vida, Daemon assumiu o papel de seu pai, Saetan, como Senhor Supremo do Inferno, construindo um muro em redor do seu coração. Porém, ao estabelecer inadvertidamente uma nova relação, bastará ela para o libertar da sua vida desprovida de amor?



Um romance da Casa da Noite.

A Casa da Noite aguarda-te. Num mundo igual ao nosso mas onde os vampyros não só existem como são tolerados, esta é a escola de referência. Um local cheio de perigos e segredos onde os jovens marcados têm dois destinos: ou se transformam em vampyros ou morrem destroçados.
Zoey Redbird, vampyra destinada a ser Alta Sacerdotisa, perdeu o seu caminho. Os imensos poderes que detém foram insuficientes para salvar uma das pessoas mais próximas de si, despedaçando a sua alma e coração. Agora o seu grupo de amigos tem de lutar para que ela regresse e ponha um fim às trevas que se apoderam da Casa da Noite.
Mas o mal tem os seus próprios planos e estes não esperam por Zoey. Os vampyros enfrentam a maior ameaça de sempre e precisam de toda a força da jovem para lidar com problemas muito para além de novas raças de vampyros, imortais caídos em desgraça ou namorados. A escuridão apodera-se do mundo e apenas Zoey poderá lutar por um caminho ao encontro da luz... se não se queimar...


Finalmente uma mistura inteligente, divertida e bem escrita de romance paranormal e fantasia urbana.

Em Hollows os vampiros são apenas o início...
A vida é dura para a jovem Rachel Morgan. Caçadora de prémios por profissão e bruxa por vocação, o seu trabalho é percorrer as ruas perigosas de Hollows atrás de criaturas sobrenaturais que ameacem os habitantes mais inocentes e vulneráveis.
Sensual e independente, a jovem consegue lidar com vampiros vestidos de cabedal e até escapar ao ocasional demónio, mas um assassino em série que dá caça aos mais perigosos mestres da magia negra é, sem dúvida, forçar os limites.
Para derrotar um mal assim tão antigo e implacável não basta uma personalidade forte e uma mão cheia de feitiços. E se falhar, mais do que o seu corpo, Rachel arrisca-se a perder a alma.