19 de novembro de 2012

Opinião - Rebelde



No verão de 1861 os exércitos do Norte e do Sul estão à beira de iniciar a Guerra Civil Americana, precipitando também a epopeia de um rapaz do Norte, chamado Nathaniel Starbuck, e de como acabou por lutar a favor dos sulistas.
Rejeitado pela rapariga que ama e incompreendido pela sua família, Starbuck chega a Richmond, Virgínia, capital da Confederação Sulista. É salvo por Washington Faulconer, um milionário excêntrico que está a criar o seu próprio regime de elite para lutar contra os Yankees. Starbuck alista-se na Legião Faulconer, mesmo sabendo que isso poderá implicar lutar contra o seu próprio povo.
Mas não é apenas Starbuck que enfrenta semelhantes dilemas e cedo toda a América terá de se render ao caos e à dramática violência que fratura o país em dois.


Opinião:

"Rebelde" é o primeiro volume da saga "As Crónicas De Nathaniel Starbuck", que retrata a Guerra Civil Americana que ocorreu entre 1861 e 1865. 

Nathaniel Starbuck é filho de um reverendo calvinista e estudante de Teologia em Boston, mas vive insatisfeito com a sua vida. Mas tudo muda radicalmente quando conhece uma mulher, que o faz esquecer a sua rigorosa educação religiosa e que o leva até Richmond.

Washington Faulconer é um rico latifundiário virginiano, que decide criar um regime militar para combater contra a União. Ele acolhe Nathaniel Starbuck, que é um grande amigo do seu filho, na sua Legião Faulconer.

Este livro serve principalmente para o leitor conhecer as personagens, a sociedade da época e os motivos que levaram a esta guerra fratricida. 



Os capítulos finais retratam a primeira batalha de Manassas, ou Bull Run, que foi a primeira grande batalha da Guerra.

Eu achei este livro algo parado e com pouca acção mas como é o primeiro de uma saga é compreensível  Espero que os outros três livros tenham mais acção e que me consiga conquistar. 

Avaliação: 7-10
Enviar um comentário