26 de outubro de 2011

Opinião - Acácia - Ventos do Norte



Um assassino enviado das regiões geladas do norte numa missão. 
Um império poderoso cercado pelo seu mais antigo inimigo. 
Quatro príncipes exilados, determinados a cumprir um destino. 
Prepara-te, leitor, para entrar no mundo deslumbrante de Acácia. 

Leodan Akaran, rei soberano do Mundo Conhecido, herdou o trono em aparente paz e prosperidade, conquistadas há gerações pelos seus antepassados. Viúvo, com uma inteligência superior, governa os destinos do reino a partir da ilha idílica de Acácia. O amor profundo que tem pelos seus quatro filhos, obriga-o a ocultar-lhes a realidade sombria do tráfico de droga e de vidas humanas, dos quais depende toda a riqueza do Império. Leodan sonha terminar com esse comércio vil, mas existem forças poderosas que se lhe opõem. Então, um terrível assassino enviado pelo povo dos Mein, exilado há muito numa fortaleza no norte gelado, ataca Leodan no coração de Acácia, enquanto o exército Mein empreende vários ataques por todo o império. Leodan, consegue tempo para colocar em prática um plano secreto que há muito preparara. Haverá esperança para o povo de Acácia? Poderão os seus filhos sera chave para a redenção?

Opinião:

Este é o primeiro volume  da saga Acácia da autoria do autor norte-americano David Anthony Durham. 


Acácia é uma ilha situada no centro do Mundo Conhecido e a partir da qual a Dinastia Akaran governa.

Leodan Akaran o Rei do Mundo Conhecido, é pai viúvo de 4 filhos, dos quais esconde uma terrível realidade acerca do comércio de droga e tráfico humano que são as grandes bases da economia. Os quatro filhos do rei chamam-se Aliver de 16 anos, Corinn de 15 anos, Mena de 12 anos e Dariel de 9 anos.


Hanish Mein é o Rei do povo Mein, que na ascensão ao poder dos Akaran foram exilados para o norte frio do Mundo Conhecido, e que desde dessa altura sonha em vingar-se do Akaran e votar as suas terras de origem.
Para conseguir a vingança Hanish envia um assassino para matar o Rei Leodan, e treina secretamente um exército.

O autor consegue criar um mundo com várias culturas diferentes muito bem construídas e consegue-nos facilmente transportar para um mundo medieval extremamente bem construído e com descrições maravilhosas.

Para mim, o facto mais negativo desde livro foi mesmo a decisão da Saída de Emergência de dividir este livro. Algo que para mim não se justificava porque o livro teria por volta de 700 páginas. E em tempos de dificuldades um livro divido significa ao leitor o dobro da despesa, o que nunca é agradável.

Eu gostei muito do livro e que é um início prometedor de mais uma excelente saga de fantasia e irei sem dúvida comprar os restantes livros.

Classificação: 8-10
Enviar um comentário