18 de junho de 2011

Análise - O Forte




Bernard Cornwell é um milagre literário.

Esta é a história de homens em guerra, das escolhas que são forçados a fazer e os dilemas que sofreram. Uma das melhores obras de Bernard Cornwell. 

No verão de 1779, no terceiro ano da Guerra da Independência dos Estados Unidos, uma força britânica de 750 homens, liderada por Francis McLean, navega em direção à costa desolada e brumosa da Nova Inglaterra. A sua missão é estabelecer uma base naval numa posição crucial para dar abrigo a americanos lealistas. Apoiado por três pequenos navios, Mclean inicia a construção de um forte. Em resposta, o estado de Massachusetts envia uma frota de 40 navios e mil soldados de infantaria para "capturar, matar ou destruir" os invasores. O segundo em comando é Peleg Wadsworth, um antigo combatente no regimento de George Washington e um homem que sabe o que tem de ser feito para expulsar os invasores. E embora os britânicos estejam em inferioridade numérica, a batalha que se seguiu é um exemplo clássico de como planos bem elaborados podem ser arruinados por líderes incompetentes ou política mesquinha, e de como a guerra destaca o melhor e o pior em todos os homens.

Opinião:

Esta obra é mais uma de um dos meus escritores favoritos de romance-histórico, o Bernard Cornwell. Que como sempre não me desapontou e mais uma vez conseguiu uma excelente conjugação entre factos verídicos e ficção.

A acção desta história passa-se durante a Guerra da Independência dos Estados Unidos, numa pequena vila costeira com o estranho nome de Majabigwaduce que fica situada no estuário do rio Penobscot no actual Estado do Maine. 
Os ingleses tentam estabelecer na ilha uma base naval que servisse de apoio aos apoiantes da manutenção dos EUA como território integrante do Império Inglês mas os revolucionários ao saberem do inicio da construção do forte juntaram um pequeno exercito para tentar expulsar os Ingleses. 

O autor fez uma alargada pesquisa, como é seu hábito, para fazer a acção o mais fiel possível ao o que facto que se passou na batalha. E como as suas descrições das batalhas são incríveis e muito realistas e parece que uma pessoa está no meio da acção. 



Imagem retirada da Wikipedia


Em termos de personagens tenho que destacar o General McClean e o Tenente John Moore do lado inglês e do  lado americano destaco as seguintes personagens General Wadsworth, General Lovell, Comodoro  Saltonstall e o Tenente Revere. Mas nem todas as personagens que destaco por boas razões, porque algumas devido a muitas más decisões e cobardia tiveram erros graves que causaram mortes e a perca da batalha.

Este é um livro que todos os amantes do romance histórico  devem obrigatoriamente ler. 


Avaliação: 8,5-10


Deixo aqui também as capas do livro publicadas na Inglaterra e no Estados Unidos.
Qual é a vossa preferida das três?


Capa Inglesa
Capa americana


Enviar um comentário