6 de fevereiro de 2013

Opinião - Wolf Hall


Inglaterra, década de 1520. Henrique VIII está no trono, mas não tem herdeiros. O cardeal Wolsey é o conselheiro do rei encarregue de obter o divórcio que o papa recusa conceder. Neste ambiente de desconfiança e necessidade aparece Thomas Cromwell, primeiro como secretário de Wolsey, e depois como seu sucessor. Cromwell é um homem muito original: filho de um ferreiro bruto, é um génio da política, um subornador, um galanteador, um arrivista, um homem com uma habilidade incrível para manipular pessoas e aproveitar ocasiões. Implacável na procura dos seus próprios interesses, Cromwell é tão ambicioso nos seus objectivos políticos como nos seus objectivos pessoais. O seu plano de reformas é implementado perante um parlamento que apenas zela pelos seus interesses e um rei que flutua entre paixões românticas e fúrias brutais.

De uma das melhores escritoras contemporâneas, Wolf Hall explora a intersecção de psicologia individual com objectivos políticos. Com uma grande variedade de personagens e uma rica sucessão de incidentes, recua na história para nos mostrar a Inglaterra dos Tudor como uma sociedade em formação, que se molda a si própria com grande paixão, sofrimento e coragem.

Opinião:

Wolf Hall é um romance histórico que retrata a corte inglesa durante o reinado de Henrique VIII. Henrique não tem herdeiros varões, apaixona-se pela jovem Ana Bolena que promete o filho que ele tanto anseia, e por isso tenta obter o divorcio da Rainha Catarina de Aragão, ele encarrega o cardeal Wolsey para obter o divórcio junto do Papa.

A personagem central desta história é Thomas Cromwell, um secretário ao serviço de Wolsey que tem uma enorme capacidade politica e senhor de uma ambição sem limites.  

Henrique VIII foi um rei muito polémico devido aos seus numerosos e controversos casamentos, a sua disputa com Roma por causa da obtenção do divórcio e as suas crescentes diferenças teológicas com a doutrina papal que o levarão à criação da Igreja Anglicana da qual se assumiu como líder.

O enredo deste livro retrata a contenda que Henrique VIII teve para tentar obter a aprovação para o seu divórcio de Roma, a qual nunca foi obtida, por isso ordena ao seu ministro Cromwell para obter o seu divorcio no Parlamento.

O livro não me cativou devido a sua acção lenta e sem grandes pontos de interesse.

Avaliação: 6-10
Enviar um comentário