9 de setembro de 2011

Opinião - A Promessa de Kushiel


A obra de Carey é maravilhosa. Quando acabei de ler, só queria que nunca tivesse terminado!” -GEORGE R.R. MARTIN


Phèdre está presa e na iminência de se entregar à morte. Mas os deuses ainda não deram a sua missão por terminada... Um golpe do destino restitui-lhe a liberdade, e a misericórdia permite-lhe sobreviver a uma morte quase certa. Mas, embora a traição que pesa sobre o trono de Terre d'Ange tenha o seu desfecho iminente, Phèdre vê-se empurrada para longe da sua pátria, para terras desconhecidas e múltiplos perigos... Desespero, dor, traição, expiação... mas também prazer, júbilo, amizade e redenção. Cativa em terra estrangeira, sem o seu Companheiro Perfeito e os seus chevaliers, todos parecem querer impedi-la de salvar a sua rainha da ameaça que sobre ela paira. Mas, escrevendo direito por linhas tortas como fazem os deuses, Naamah, Kushiel, Cassiel e Asherat-do-Mar parecem conspirar para um culminar dramático em La Sereníssima. Triunfarão a honra e a justiça sobre as forças de cobiça e ambição? Logrará Phèdre denunciar os traidores que ameaçam Terre d'Ange e trazer a paz de novo à sua amada pátria? E ao seu coração atormentado?


Opinião:


Este é o quarto livro (segunda parte do segundo livro original) da excelente saga Kushiel da escritora Jacqueline Carey. 


Phèdre está prisioneira numa ilha chamada de La Dolorosa, onde ela quase perde a sua sanidade mental. Mas devido a uma turbulência inesperada consegue escapar da ilha, mas caí ao mar. 


No mar ela é recolhida por Kazan Atrabiades, um pirata Illyriano que a toma como refém. Ele leva-a para a ilha, muito bem retratada no livro, onde mora e donde ele envia um dos seus navios à Marsilikos para exigir um elevado resgate. 


Para mim este foi o segundo melhor livro da saga, o meu preferido foi "A Marca de Kushiel"  que é o segundo livro. Gostei muito da intriga palaciana em La Serenissima, e adorei a forma que a Melisandre se ajudou para esconder da perseguição da Rainha Ysandre. 


Para mim a personagem Melisandre é sem dúvida umas das melhores vilãs femininas que conheci, e uma excelente jogadora do Jogo dos Tronos. 


Kazan, foi uma personagem que deveras gostei. Um homem de personalidade forte, que não tem medo de correr riscos e perseguido por uma terrível maldição de sangue.


Para mim um ponto negativo deste saga é o facto de os livros terem sido divididos, o que prejudica a leitura e as carteiras dos seus possíveis leitores.


Recomendo esta saga sem qualquer dúvida! 


Classificação: 9-10


Enviar um comentário