15 de julho de 2011

Mais uns bebés para a estante



O seu nome é murmurado com temor e respeito.
A sua figura move-se nas sombras da noite e das políticas.Acaba de salvar o herdeiro do reino. Mas será suficiente? Depois de salvar o príncipe das garras dos pigarços e de sofrer a mais devastadora perda possível ao fazê-lo, o lendário assassino regressa ao lugar a que em tempos chamou lar. Aí, esperam-no dias difíceis de adaptação, mas também o esperam oportunidades, velhos e novos amigos e até um filho adolescente. E espera-o também um príncipe, do seu sangue sem que o saiba, dotado com as magias desse sangue mas sem conhecimentos para lidar com elas, e prometido a uma princesa estrangeira. Como irá Fitz lidar com todos os desafios que o aguardam em Torre do Cervo? Que soluções encontrará para os seus dilemas?



O escritor britânico Joe Abercrombie chega a Portugal com um romance de estreia notável – o primeiro livro da Trilogia “A Primeira Lei” –, que entra de imediato para a galeria das grandes obras do género, na esteira de autores como Margaret Weis, Tracy Hickman, R.A. Salvatore, ou mesmo George R.R. Martin e Patrick Rothfuss. Sólido, complexo e apaixonante, “A Lâmina” combina com mestria os elementos típicos do Fantástico, mas acrescenta-lhes a crueldade sanguinária e o humor mordaz que conduzem o leitor aos labirintos mais negros da condição humana. Este não é de certeza um livro “inocente”, com bons de um lado e maus do outro – é um romance de profunda humanidade, que nos coloca perante o espelho arrasador dos nossos pecados e fraquezas.

Perversamente divertido, excitante e imprevisível, e repleto de personagens memoráveis, “A Lâmina” é uma fantasia com muito de verdade. No mundo medieval criado por Joe Abercrombie, a sorte de Logen Novededos, bárbaro infame, esgotou-se finalmente. Apanhado num combate em que não se deveria ter envolvido, está prestes a tornar-se um bárbaro morto, deixando para trás apenas canções más e amigos mortos.

Jezal dan Luthar, modelo de egoísmo, não tem em mente nada mais perigoso do que conquistar a glória no círculo de esgrima. Mas a guerra aproxima-se e, nos campos de batalha do Norte gélido, luta-se com regras mais sangrentas.

Ao inquisidor Glokta, torturado convertido em torturador, nada agradaria mais do que ver Jezal regressar a casa num caixão. Mas também é verdade que o seu ódio será extensível a todos os que conhece. Extirpar a traição no coração da União, uma confissão de cada vez, não deixa um grande espaço para amizades e o mais recente rasto de cadáveres poderá conduzir directamente ao coração enfermo do Governo… se conseguir sobreviver durante tempo suficiente para o seguir…
Enviar um comentário