27 de abril de 2012

Opinião - Avatar de Kushiel



A nação de Terre d’Ange é um lugar de beleza e graça sem par. Diz-se que os anjos deram com a terra e a acharam boa… e que a raça resultante da semente dos anjos e dos homens se rege por uma simples regra: Ama à tua vontade. Phèdre nó Delaunay é uma mulher atingida pelo Dardo de Kushiel, eleita para toda a vida experimentar a dor e o prazer como uma coisa só. O seu caminho tem sido estranho e perigoso, e ao longo de todo ele o devotado espadachim Joscelin tem estado a seu lado. A natureza dela é uma tortura para ambos, mas ele jamais violou o seu voto: proteger e servir. Agora, os planos de Phèdre põem a promessa de Joscelin à prova, já que ela jamais esqueceu o seu amigo de infância, Hyacinthe. Passou dez longos anos em busca da chave para o libertar da sua eterna servidão, um acordo por ele feito com os deuses — tomar o lugar de Phèdre em sacrifício e com isso salvar uma nação. Phèdre não pode perdoar — nem a si própria nem aos deuses. Está determinada a agarrar uma derradeira esperança de redimir o seu amigo, nem que isso signifique a morte. A busca irá levar Phèdre e Joscelin mundo fora, para cortes distantes onde reina a loucura e as almas são moeda de troca, e por um lendário rio abaixo até uma terra esquecida de quase todo o mundo. E até um poder tão imenso que ninguém ousa proferir o seu nome.

Opinião:

“Avatar de Kushiel” é o quinto volume da saga “Legado de Kushiel”. O enredo neste livro ocorre 10 anos depois dos eventos ocorridos no último livro. A minha opinião tem spoilers para quem não leu os livros anteriores.

Phedré, durante estes anos tentou descobrir como poderia libertar o Hyacinthe de servir como Senhor da Travessia.

Numa tarde Phedré recebe uma carta de La Serenissima, que a fará entrar numa demanda para procurar um jovem rapaz de 10 anos chamado Imriel.

Durante a demanda Phedré e Joscelin irão a vários países, que tem costumes, religiões e pessoas muito diferentes das que habitam a Terre D’Ange.

Eu gostei muito das diversas religiões que a autora apresenta neste livro, mas elas são claramente baseadas nas existentes como a islâmica, a egípcia e a judaica.

Como já referi em opiniões anteriores, eu sou contra as editoras dividirem os livros, porque os leitores tem de comprar maiores custos financeiros mas principalmente porque corta o enredo do livro e quebra o ritmo de leitura.

Eu gostei bastante deste livro e espero ler em breve o livro que fecha esta saga.

Avaliação: 8-10
Enviar um comentário