24 de janeiro de 2014

Opinião - A Serva do Império Vol 2


A Saga do Império é uma das obras mais famosas de Raymond E. Feist. O mundo exótico de Kelewan é um marco histórico na Fantasia épica. De Kelewan, saíram algumas das ideias e personagens mais emblemáticas da fantasia. De uma parceria com Janny Wurts, provavelmente uma das mais bem-sucedidas da literatura fantástica, nasce uma obra apaixonante. Um mundo de personagens reais, intriga política e ação.. INTRIGADO? SAIBA OS SEGREDOS DO EXÓTICO MUNDO DE KELEWAN. 
Os tempos mudaram e as formas de poder são hoje mais subtis e traiçoeiras. Nenhum clã pode sobreviver sem conhecer as intrigas do Jogo do Conselho. E todos o sabem. Mara dos Acoma está mais implacável do que nunca. Com a vida do seu filho em perigo e a continuidade da sua Casa ameaçada, a Senhora dos Acoma usa de todos os meios para controlar a crueldade dos seus inimigos. Dotada de uma destreza intelectual invulgar, Mara dos Acoma coloca em causa não só as tradições dos Tsurani, como as suas próprias convicções. Neste jogo de sentimentos e poder, poderá não haver um vencedor… Este volume é a segunda parte de A Serva do Império, pertencente à magnífica saga épica de Feist e Wurts - uma das colaborações mais bem-sucedidas de todos os tempos no estilo fantástico.

Opinião:

"A Serva do Império - Vol 2", é a segunda parte de um excelente livro, que nasceu da colaboração entre Raymond E. Feist e Janny Wurts. 

Mara dos Acoma, continua a provar-se uma mestre no perigoso Jogo do Conselho, o que já lhe causou terríveis inimigos como os Minwanabi, que fazem de tudo para destruir os Acoma. Para mim a Mara é uma das melhores personagens que o Feist criou. Com uma natureza complexa,  completamente inovadora em relação aos costumes dos tsurani, que com a sua inteligência consegue alterar tradições milenares. 

Kevin é outra personagem que merece destaque. Ele é um escravo de Mikdemia, que se tornou amante da Mara e que com a sua cultura completamente diferente vai provocando aos poucos grandes mudanças em Mara. 

Como já é marca habitual desta saga, a magia é um elemento pouco presente, e o grande foco do livro é mesmo o Jogo do Conselho. A luta das diversas famílias no Jogo é impiedosa e cheia de traições e intrigas. 

Por ser a segunda metade de um livro a leitura começa logo a um ritmo elevado e sem qualquer introdução, por tanto aconselho a leitura do primeiro volume antes para uma leitura mais fácil. Espero que o terceiro livro, na versão original, não seja também dividido. 

Gostei imenso deste livro, com uma trama muito bem construída, algumas batalhas sangrentas, inúmeros intrigas e com excelentes personagens. 

Avaliação: 9-10
Enviar um comentário