15 de janeiro de 2010

Ria de Alvor, a minha outra paixão



Ria de Alvor,
Entre Portimão e Lagos a ria de Alvor forma um amplo e complexo sistema estuarino, para o qual drenam as ribeiras de Odeáxere e Arão a poente, e as ribeiras do Farelo e Torre a nascente, com origem nas Serras de Monchique e Espinhaço de Cão. A zona lagunar encontra-se separada e protegida do mar por duas línguas de areia, a Praia de Alvor a nascente e a Meia-Praia a poente, rodeando dois promontórios, a Quinta da Rocha e a Abicada.
A diversidade de habitats numa área relativamente pequena – cerca de 1700 hectares – proporcionam a observação de uma grande diversidade de aves típicas de estuários e sapais, aves marinhas e aves associadas a campos agrícolas.

Visita:
No cruzamento de acesso à vila da Mexilhoeira Grande na EN125 corta-se em direcção a Sul, na direcção
oposta à vila. Atravessa-se a passagem de nível do ramal de Lagos da Linha do Algarve (dista cerca de 100
metros) e entramos na Quinta da Rocha, uma península que nos leva à Ria de Alvor.

Seguindo em frente atravessam-se campos agrícolas, grande parte abandonados, dominadas por culturas de pequena dimensão compostas por amendoeiras, oliveiras, alfarrobeiras, romãzeiras, marmeleiros e figueiras, bem como alguns pequenos pomares de citrinos e baldios.
Durante este percurso é fácil observar fringilídeos (pintassilgo, chamariz, verdilhão, pintarroxo) e ainda trigueirão, pega-azul, poupa e, na época de nidificação, durante o dia no topo de um poste telefónico ou casa em ruínas, o mocho-galego. Nas áreas de pastagem a acompanhar o gado bovino ou caprino temos garças-boieiras. No Verão o abelharuco e as diferentes andorinhas mostram sua beleza e agilidade.



Nos campos agrícolas, durante a migração outonal é possível observar o movimento de centenas de passeriformes que procuram áreas de repouso e alimentação durante esta epopeia que é a migração.
Destacam-se como migradores de passagem chasco-cinzento, rouxinol-pequeno-dos-caniços, felosa-poliglota, felosa-das-figueiras,toutinegra-de-barrete-preto, felosa-comum, papa-moscas-cinzento, papa-moscas-preto, em como outras espécies de felosas. No Inverno é comum observar alvéola-branca, pisco-de-peito-ruivo e
rabirruivo-preto. Ao longo do ano para além das aves associadas a campos agrícolas, é possível encontrar o alcaravão.



Chegados ao parque de estacionamento, a zona húmida – laguna e sapais – pode ser explorada a pé seguindo o dique que rodeia uma área de sapal. Nesta área de sapal pode-se observar flamingo, garça-real, garça-branca-pequena, maçarico-de-bico-direito, borrelho-de-coleira-interrompida, borrelho-grande-de-coleira, pernilongo, cotovia-de-poupa e muitas outras aves limícolas.
Na laguna durante a maré vazia as gaivotas-argênteas descansam nos bancos de areia a descoberto. Entre elas há sempre a oportunidade de ver outras espécies de aves como o corvo-marinho-de-faces-brancas, o ostraceiro, o pilrito-das-praias, o garajau-comum e o garajau-grande. Na época de nidificação, a andorinha-do-mar-anã encontra nesta área um local privilegiado de alimentação, nidificando no sistema dunar que separa a ria do mar.



Junto às salinas nos bancos de vasa e sapal que se encontram na ribeira de Odiáxere a presença do maçarico-galego, da rola-do-mar e da tarambola-cinzenta não passa despercebido. Aqui, e ao longo dos diques durante os meses de Inverno esconde-se o pisco-de-peito-azul. No Verão a alvéola-amarela mostra os seus voos graciosos nas áreas interiores de sapal.

A partir da vila de Alvor este sistema estuarino pode ser explorado percorrendo a pé o sistema dunar. No interior, durante a maré vazia nos bancos de areia a descoberto para além da gaivota-argêntea, é possível observar o garajau-comum. Junto à embocadura da ria nos bancos de areia observam-se ostraceiro, rola-do-mar, pilrito-das-praias entre outras aves limícolas. Nas dunas observa-se cotovia-de-poupa, borrelho-de-coleira-interrompida e andorinha-do-mar-anã, que utilizam esta área para nidificar.


Melhor época: Setembro a Maio

Distrito: Faro
Concelhos: Lagos e Portimão
Onde fica: A Ria de Alvor localiza-se no barlavento algarvio entre as cidades de Portimão e Lagos. Para quem vem de Lisboa, seguir pela A2 e depois pela A22 saindo no nó de Alvor. Para chegar à Quinta da Rocha, na EN125 no cruzamento da Mexilhoeira Grande – vila situada entre as cidades de Portimão e Lagos – virar para Sul, 150 metros mais à frente atravessar a passagem de nível e seguir em frente cerca de 2,5
Km até chegar junto do sapal e estuário. Aqui pode-se deixar o carro e explorar a pé o dique. No caso de querer explora a Ria de Alvor a partir do sistema dunar deverá tomar a direcção de Alvor. Aqui chegado deixar o carro na zona ribeirinha de Alvor e seguir a pé entre o sistema dunar e o estuário/sapal até ao molhe e regressar pela praia.



As aves mais vistas na ria são:
alcaravão, borrelho-de-coleira-interrompida, ostraceiro, garajau-grande, andorinha-do-mar-anã, pisco-de-peito-azul, corvo-marinho-de-faces-brancas, garça-boieira, garça-branca-pequena, garça-real, flamingo,
pernilongo, borrelho-grande-de-coleira, tarambola-cinzenta, pilrito-das-praias, pilrito-comum, maçarico-de-bico-direito, maçarico-galego, rola-do-mar, gaivota-argêntea, garajau-comum, mocho-galego, abelharuco, poupa, cotovia-de-poupa, alvéola-amarela, alvéola-branca, pisco-de-peito-ruivo, rabirruivo-preto, chasco-cinzento, rouxinol-pequeno-dos-caniços, felosa-poliglota, felosa-das-figueiras, toutinegra-de-barrete-preto, felosa-comum, papa-moscas-cinzento,papa-moscas-preto, picanço-barreteiro, pega-azul, trigueirão

Raridades:
ganso-de-faces-pretas, pato-ferrugíneo, eider, pato-de-cauda-afilada, tarambola-americana, abibe-sociável, pilrito-semipalmado, pilrito-de-uropígio-branco, pilrito-de-colete, perna-verde-fino, maçarico-solitário, maçarico-sovela, moleiro-rabilongo, gaivota-de-bico-fino, gaivota-de-bico-riscado, garajau-real,andorinhão-pequeno, petinha de Richard, chasco-de-barrete-branco, felosa-agrícola,
felosa-icterina, felosa-bilistada, escrevedeira-rústica.

Fonte: http://www.avesdeportugal.info/
Enviar um comentário