24 de março de 2010

Crítica "O Nome do Vento"




O Nome do Vento

Sinopse:

Da infância como membro de uma família unida de nómadas Edema Ruh até à provação dos primeiros dias como aluno de magia numa universidade prestigiada, o humilde estalajadeiro Kvothe relata a história de como um rapaz desfavorecido pelo destino se torna um herói, um bardo, um mago e uma lenda. O primeiro romance de Rothfuss lança uma trilogia relatando não apenas a história da Humanidade, mas também a história de um mundo ameaçado por um mal cuja existência nega de forma desesperada. O autor explora o desenvolvimento de uma personalidade enquanto examina a relação entre a lenda e a sua verdade, a verdade que reside no coração das histórias. Contada de forma elegante e enriquecida com vislumbres de histórias futuras, esta "autobiografia" de um herói rica em detalhes é altamente recomendada para bibliotecas de qualquer tamanho.

Opinião:

"Eu chamo-me Kvothe. Resgatei princesas dos Túmulos de Reis Adormecidos, incendiei Trebon. Passei a noite com Felurian e parti com a sanidade e com a vida. Fui expulso da Universidade na idade em que a maioria dos alunos é admitida. Percorri caminhos ao luar que os outros receiam nomear ao dia. Conversei com Deuses. Amei Mulheres e compus canções que fazem chorar os trovadores. É possível que me conheçam."

O Nome do Vento é o livro de estreia do Patrick Rothfuss, e que estreia que ela é!
O livro falamos da história de Kvothe contada na primeira pessoa pelo próprio sem qualquer boato.

Num ritmo elevado, ele contamos a sua história desde que fazia parte da trupe nómada chamada de Edema Ruth. Numa viagem com a sua trupe ele encontra-se com um velho arcanista que chama o vento para se defender, fascinado com ele Kvothe convinda-o a juntar-se a trupe, e assim ele é iniciado nas artes do arcano e da simpatia, a magia real. Ao aperceber-se da inteligência de Kvothe, o arcanista recomenda aos seus pais para que ele vá para a Universidade.

Pouco depois de o arcanista ter ido embora da trupe ela é massacrada por uns misteriosos seres chamados de Chandrian, Kvothe só sobrevive porque estava na floresta na altura do ataque.

Depois dirige-se sozinho a cidade de Tarbean onde vive durante três como uma criança órfão mendiga. Até que é relembrado por um contador de histórias todas as memórias que reprimiu desde da morte dos seus pais.

Depois ele dirige-se para a Universidade, onde se consegue juntar devido a sua enorme inteligência e astúcia. Logo no primeiro dia ele faz dois poderosos inimigos lá o professor Hemme e o Ambrose. Kvothe durante os primeiros tempos na Universidade tem dificuldades em arranjar dinheiro para pagar as propinas e um quarto. Mas depois compra um alaúde, e começa a tocar em tabernas e assim consegue o dinheiro necessário.

Neste livro também ainda há um lugar para o romance quando o Kvothe conhece, e fica apaixoando por Denna. Mas Kvothe é muito inexperiente nesse assunto, e quando fala com ela não sabe o que dizer ou como agir.

Este livro não se baseia num herói sem defeitos, mas sim na história de um jovem que com os seus defeitos e virtudes, se tornou numa lenda!

Eu recomendo altamente este livro, a todos os leitores gostem eles ou não de fantasia. Posso dizer que foi uns dos livros que mais gostei de ler!

Classificação: 10-10
Enviar um comentário